Escrevendo sua Monografia ou TCC: o que fazer? e o que não fazer?

Esse artigo tem como objetivo dizer para você leitor o que fazer e o que não fazer durante a escrita do seu TCC ou monografia. Algumas pessoas podem achar um verdadeiro pesadelo o fato de ter que escrever algo do zero. Nós temos a missão de mostrar como é fácil, agradável e gratificante essa atividade quando você tem um guia e sabe o que pode e o que não pode fazer.

Primeiro vamos falar um pouco de categorias científicas, que podem ser divididas em primárias e secundárias. Podemos dizer que um estudo é primário quando ele contêm resultados originais ou propostas inéditas. São eles:

  • Trabalhos descritivos que falam sobre observações sobre objetos, materiais e fenômenos. Ex.: Pontos positivos e negativos da informática no dia a dia dos publicitários;
  • Trabalhos experimentais que reportam manipulação e experimentação de modelos, processos, ferramentas e técnicas. Ex.: Ação da ferramenta ContEX na produtividade do publicitário;
  • Trabalhos teóricos que analisam objetos, técnicas, ferramentas, estruturas, etc., do ponto de vista teórico. Ex.: A importância do marketing para pequenas empresas.

Já as publicações secundárias possuem resultados e conceitos já publicados anteriormente, algumas vezes acrescidos de novos resultados e interpretações. Um exemplo clássico são as revisões da literatura.

Os estudos primários costumam obedecer uma série de regras e convenções que definem como você vai organizar o texto em diferentes seções, o conteúdo de cada seção e a sua apresentação. Um artigo científico, monografia ou TCC é constituído por quatro seções, além do título e do resumo, são elas: Introdução, materiais e métodos e resultados e discussão.

  • Introdução – Por que o trabalho foi feito?
  • Materiais e Métodos – Como foi feito?
  • Resultados – O que foi observado?
  • Discussão – O que se pode concluir dos resultados?

Título

O que fazer?

  • O título deve refletir o conteúdo do trabalho.
  • Deve ser conciso, abrangente e transmitir uma boa mensagem com o mínimo de palavras.
  • Pode ser utilizado o subtítulo para explicar o título em mais detalhes.
  • Você pode colocar a principal conclusão do trabalho no título com o intuito de chamar a atenção do leitor
  • Você pode utilizar uma pergunta como título do seu trabalho.
  • Escreva o título depois que você estiver com o trabalho finalizado, dessa forma você terá uma ideia do todo e fica mais fácil identificar o que deve ser colocado no título.
  • Além de transmitir uma mensagem, o título deve chamar a atenção do leitor.

O que não fazer?

  • Não precisa ser uma sentença completa com sujeito, verbo e complemento.
  • Evite o uso de construções como “Estudos sobre …”, “Observações sobre …”, “Aspectos de …” pois aumentam a extensão do título sem contribuir com o conteúdo.

Resumo

Lembre que o resumo é a vitrine do seu trabalho. Um resumo ruim não vai despertar o interesse do leitor. Pensando nisso, o Fastformat montou um guia de como você deve escrever o resumo/abstract.

O que fazer?

  • O resumo deve ser fácil de entender, isto é, claro e compreensível.
  • Deve conter os principais tópicos do trabalho: problemática abordada, metodologia utilizada, desenho experimental ou casuística, resultados e conclusões.

O que não fazer?

  • Você não deve escrever detalhes do estudo devido ao tamanho limitado que tem o resumo/abstract, a não ser que seja essencial para que o leitor entenda o trabalho.
  • Evite o uso de abreviaturas. Caso uma palavra ou conjunto de palavras se repita demais, você pode abreviá-la indicando seu significado no próprio resumo. OBS.: se a abreviatura for utilizada novamente ao longo do texto nas outras seções, ela deve ser novamente definida na sua primeira ocorrência.
  • Você não deve fazer citação no resumo.

Introdução

O que fazer?

  • 1. O assunto investigado: apresentação do tema que foi analisado no trabalho. Aqui você deve considerar que a introdução sera lida por diferentes categorias de leitores (aqueles que não conhecem o assunto, os que conhecem um pouco e aqueles especialistas no assunto). Para todos eles você deve apresentar o assunto analisado e seus limites. Tudo isso deve ser devidamente referenciado.
  • 2. O estado da arte: Quem estudou sobre esse assunto? Quais as principais descobertas? O que se tem até hoje de conhecimento sobre o assunto? Se a área tiver várias publicações, você deve usar as principais.
  • 3. O que ainda não se sabe sobre o assunto: Mostre quais são os pontos obscuros, tópicos ou problemas que não foram explorados. Analisar os trabalhos futuros é uma boa abordagem para descobrir esses viés
    de pesquisa.
  • 4. As polêmicas sobre o assunto: aqui você deve colocar as hipóteses alternativas ou discordâncias a respeito daquele assunto.
  • 5. Importância do estudo e questão de pesquisa: Aqui você deve falar qual sua questão de pesquisa,
    a hipótese do trabalho, o que será analisado, etc.

O que não fazer?

  • Trabalhos que não sejam importantes ou apresentem uma contribuição ruim, não devem ser citados na introdução. Lembre-se que se você citou um trabalho, significa que você concordou ou acredita naqueles resultados.
  • Não apresentar de maneira clara a questão de pesquisa e qual seu objetivo.
  • Falar de maneira superficial ou não falar das diferenças entre o seu estudo e os que já existem.
  • Deixar de mencionar resultados já conhecidos sobre o seu tema.
  • Ao apresentar dados, deixar de colocar a fonte daquela informação.
  • Não citar autores a partir dos trabalhos originais.

Materiais e Métodos

Nessa seção deve ser descrito todos os materiais, organismos, equipamentos utilizados no trabalho, assim como procedimentos seguidos para realizar entrevista, estudo de caso ou experimento. A ideia é mostrar para o leitor como o estudo foi conduzido para que ele possa entender e avaliar os resultados e conclusões. OBS.: Lembre que o leitor pode tentar reproduzir o seu estudo e para isso ele precisa de detalhes.

O que fazer?

  • Todos os materiais utilizados devem ser descritos.
  • Deve ser reportada as condições em que o trabalho foi executado.
  • Caso esteja escrevendo sobre um experimento, uma boa dica é descrever em detalhes o projeto do experimento.
  • Alguma amostra foi coletada? Se sim, como e quando? Descreva em detalhes.
  • É muito importante que você faça um experimento piloto, ele ajudará na validação do passo-a-passo e ajudará a identificar algum problema na definição do estudo.

O que não fazer?

  • Não descreva procedimentos ou manipulações em uma sequência lógica incorreta.
  • Repetir a descrição dos passos de execução de forma repetitiva.
  • Conter quantidade excessiva de informação
  • Conter quantidade insuficiente de informação

Resultados

Apresenta o que foi observado durante a execução do trabalho. Aqui o autor deve se restringir a descrição dos fatos de forma objetiva, sem colocar suas opiniões ou qualquer tendência em favor de algum resultado.

O que fazer?

  • Você deve apresentar os resultados utilizando a mesma sequência de passos utilizada na seção de materiais e métodos.
  • Divida o resultado em pequenas partes e descreva cada uma delas ao longo do capítulo/seção.
  • O autor deve organizar os resultados de tal forma que o leitor possa acompanhar o passo a passo do relato das observações. Mostrando o resultado obtido em cada etapa.
  • Mantenha um padrão de escrita na descrição de cada um dos resultados.
  • Não há necessidade de descrever todos os dados obtidos; escolha os mais importantes e representativos.
  • Faça um quadro mostrando um panorama dos resultados.
  • Os resultados de experimentos (duplicados/triplicados) repetidos devem ser resumido em uma descrição única.
  • Resultados quantitativos devem ser apresentados por meio de médias ou tratamentos estatísticos quando necessário.
  • Utilize tabelas e figuras para mostrar resultados quantitativos.

O que não fazer?

  • Omitir detalhes importantes dos resultados. Muitas vezes colocamos uma imagem nos resultados, falando de algo que foi observado e esquecemos de descrever no texto aquela figura.
  • Evite colocar dados em uma tabela e não descrevê-la no parágrafo que referencia essa tabela.
  • Uma seção desorganizada. Lembre-se que essa seção deve ser organizada de tal forma que o leitor entenda progressivamente e tire suas próprias conclusões sobre os resultados.
  • Não utilize uma linguagem vaga, sem definir claramente as observações. Ex.: Após o uso de dipirona o paciente apresentou um comportamento diferente. “O que significa diferente?”

Discussão

Essa seção deve ser opinativa e argumentativa, sendo de caráter mais subjetivo. Nessa seção você poderá apresentar argumentos em favor de uma ideia, argumentar de forma contrária a alguma ideia, antecipar dúvidas e levantar questionamentos. Essa argumentação deve ser feita com base nos resultados de trabalhos de outros autores.

O que fazer?

  • Você deve colocar a análise e interpretação dos dados. Você respondeu seus questionamentos iniciais? Parcialmente ou totalmente? Como foi respondido?
  • Comparação com resultados já publicados. Existe alguma diferença entre os seus resultados e aqueles resultados publicados anteriormente por outros autores? Quais? Ao que podemos atribuir essas diferenças?
  • Relevância do trabalho para o conhecimento do problema. Como interpretar os resultados com base no que se conhece da literatura existente? Quais as principais conclusões do trabalho? Qual a importância dos resultados? Quais os novos questionamentos identificados a partir do resultado do seu trabalho? Você teve algum resultado inesperado? Como você pode explicar tal resultado?
  • Conclusão do trabalho. Deve relatar de maneira bem objetiva quais foram as conclusões do trabalho a partir dos resultados obtidos e analisados.

O que não fazer?

  • Alguns autores relatam novamente os resultados, isso não deve ser feito. Pode ser utilizado apenas para contextualizar uma determinada discussão.
  • Somente comparar os resultados com os resultados dos demais autores. Isso deve ser feito como forma auxiliar de argumentar e justificar seus achados.
  • Não obedecer uma sequencia adequada na argumentação. É muito importante encadear as idéias de forma que o leitor tenha um aprendizado/entendimento progressivo. DICA: Fale dos trabalhos em uma ordem cronológica.
  • Propor conclusões que os resultados não permite criar. Esse problema é mais comum do que se imagina.
    Mantenha seu espírito crítico nesse momento para não propor conclusões que estão além dos seus resultados.
  • Confundir o leitor quando escrever fatos e interpretações. Você tem que deixar claro de quem é aquela linha de pensamento, sua ou do autor do trabalho que você referenciou.

Agora que você já tem uma ideia melhor do que escrever em cada uma dessas seções, é hora de colocar a mão na massa. Acesse www.fastformat.com.br e comece a escrever seu trabalho na melhor plataforma de produção acadêmica. Boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.